Santa Rafqa

Santa Rafqa - celebrado dia 23 de março

Ler a vida da Irmã Rafqa (Rebeca) El-Choboq El-Rayés, monja libanesa maronita, beatificada no dia 17 de novembro de 1985, é ver realizar como e de qual jeito o sofrimento deveria ser vivido com alegria! Por certo, não é fácil saber sofrer ou poder padecer; isto é toda a pedagogia cristã. Pois, não é também fácil manifestar o sorriso quando o corpo é totalmente desanimado e os membros desarticulados. Isto é toda uma vida de fé n`Aquele que escolheu a Via Crucis para salvar o mundo. Por fim, não é sempre fácil para o ser humano conservar sua calma interior e ter o rosto constantemente radiante quando a vida se torna uma noite permanente e quando o sono se torna um visitante extremamente raro! No fundo, precisa ser dotado dum espírito criador, pois, se chegamos a viver os sofrimentos humanos, saremos criadores de alegria e de felicidade. Órfã e consagrada a Deus, de clausura e arrastando seu martírio durante dezenas de anos, assim foi a vida da Irmã Rafqa cuja existência, desde a infância até a sua morte, foi sempre uma dura prova. Ora, toda vida penosa poderia ser; ou infeliz e desprovida de toda consolação - humana ou divina -, ou então uma vida feliz e fonte de todo reconforto. Nossa Beata é uma daqueles e daquelas que seguiram o Cristo, e que tinham participação da Santa Cruz. Em vez de ter sido infeliz e sem consolação, Irmã Rafqa pôde transformar seus contínuos sofrimentos em uma alegria contínua. Por isso, publicamos esta biografia como um presente àqueles que estão procurando, no sofrimento, a felicidade "nesta vale das lágrimas".

 
Origem
Libanesa, membro da Ordem Libanesa Maronita, ramo feminino, a Irmã Rafqa nasceu em 1832 em Himlaya, aldeia maronita da montanha libanesa, a cerca de 700 metros de altitude, no centro do país. Seu pai se chamava Mrad Saber El-Choboq El-Rayés, sua mãe Rafqa Gemayél. Temos poucas informações sobre sua família, pois sua aldeia foi saqueada durante os acontecimentos sangrentos que se desenrolaram no século passado, e de maneira particular em 1860 quando se realizou o genocídio dos Cristãos, e sobretudo dos Maronitas. Sabemos, porém, que ela nasceu em 1832, e que seu nome de batismo era Butrossiéh, Pedrina em português. Sua mãe faleceu quando tinha apenas sete anos. Desde a infância, esteve privada da doçura da presença materna; foi a primeira cicatriz em seu tenro coração. Viúvo, seu pai não tardou se casar de novo. A presença de uma madrasta muitas vezes é ressentida amargamente por crianças de pouca idade; foi por isso que os anos de sua segunda infância foram duros, porque sua madrasta não lhe testemunhava o afeto de que precisava. Mas Butrossiéh se voltava para sua Mãe celestial, que se tornara também sua mãe terrestre. Esta devoção à Santíssima Virgem, aprendera de sua mãe antes que morresse. Esta, tal como todas as mães de antigamente, deu à filha a educação ao mesmo tempo humana e cristã; ensinou-se as orações e atos de piedade, em particular a oração da manhã e da noite, antes de se deitar. "Tal mãe, tal filha"! Butrossiéh só podia ser uma filhinha piedosa e bem educada..

Na adolescência, Butrossiéh sentia que os dias no Líbano ficavam muito pesados; os acontecimentos se precipitaram; a guerra civil começou em 1840, e depois em 1843 e 1845. As querelas na região e os combates no país provocaram dificuldades econômicas para o povo libanês. Para ajudar o pai, Butrossiéh não hesitou em se tornar empregada doméstica na casa da família de Assad El-Badaui, que, com sua mulher Helena, era homem direito, honesto e profundamente cristão. Originário de Babda, no Líbano, esta família instalou-se em Damasco. Butrossiéh foi com eles,e lá ficou cerca três anos. Segundo a opinião da família El-Badaui, era "um modelo de piedade, fidelidade e pureza". VOCAÇÃO RELIGIOSA

Aos quatorze anos, seu pai chamou-a, na intenção de fazê-la casar, projeto que, aliás, era completamente estranho ao temperamento de nossa Beata. Mais de um pretendente se apresentou à jovem Butrossiéh, cuja beleza exterior era igualada pela beleza da alma; mas escutava, no fundo do coração, a voz do Senhor que chamava-a para segui-Lo. Um dia, um certo jovem da sua aldeia, cruzou com ela e lhe perguntou: "Onde podemos nos encontrar?" Ela lhe respondeu: "Pertinho da igreja", expressão libanesa que corresponde à expressão brasileira "chácara do padre", pois o cemitério estava sempre perto da igreja paroquial, e que o encontro ia se realizar após a morte. Por fim, surgiu um conflito ao seu redor, no seio de sua própria família: sua madrasta queria casá-la com seu irmão, e a tia materna, da sua parte, queria que se casasse com seu filho. Entre as duas mulheres surgiu aversão e inimizade. Um dia, ao pegar água na fonte da aldeia, ouviu a madrasta e a tia trocando insultos, por causa dela. Ficou impressionada e desgostosa com essas brigas, e pediu a Deus que a libertasse desta situação. Logo veio-lhe a idéia de ir para a vida religiosa. Assim que chegou aos vinte e um anos, e sem tardar, foi ao convento de Nossa Senhora do Bom Parto, em Bikfaya, que pertencia à Congregação das irmãs Mariamitas, recém-fundada, em 1853,pelo padre diocesano José Gemayél e padres jesuítas, para ajudá-los em suas atividades apostólicas, e de maneira particular, na educação das jovens libanesas.

Assim Butrossiéh deixou tudo e foi para seguir o Cristo. Seu pai, revoltado, foi, acompanhado pela madrasta, ao convento das Mariamitas para levá-la de novo à casa; mas seu gesto foi em vão. Butrossiéh recusou mesmo falar com eles, apesar da insistência da madre superiora que tentava convencê-la para encontrar seu pai e sua mãe. Então Butrossiéh lhe respondeu: "Prefiro que minha mãe me leve para ela primeiro, que deixar este convento". Surpreendida, a superiora lhe pediu esclarecimento. Butrossiéh lhe disse que aquela que acompanhava seu pai é uma madrasta, pois a sua mãe era já falecida. Então, seu pai voltou para casa e nunca a viu depois, e sua entrada no convento foi um "até à vista" para o mundo, e um "até à vista" para todos seus seres humanos queridos, incluindo seu pai! PROFISSÃO RELIGIOSA

Depois de um ano de postulante, Butrossiéh foi admitida ao noviciado em 9 de fevereiro de 1855, na festa de São Marun. Passou um ano e meio em Bikfaya, depois foi transferida para o convento de Ghazir onde funcionava o Seminário Oriental ou Seminário do Patriarcado Maronita. Este foi fundado em 2 de fevereiro de 1846 e confiado aos padres jesuítas. Ficou ali como noviça e depois como professa, por sete anos, preparando a comida para os seminaristas; entre eles, na época, Elias Houwaiék, que se tornou patriarca. Depois de terminado seu trabalho, tinha aprendido árabe, caligrafia e matemática. Ela fez a profissão religiosa em Ghazir em 1856.

Em 1860, foi transferida para Deir-El-Qamar para proporcionar a educação e formação das crianças, com outras co-irmãs e padres jesuítas. Ali, viveu o drama do genocídio dos Maronitas, ocorrido naquele mesmo ano "em que os perseguidores arrancavam os meninos dos braços de suas mães, e martirizavam os maridos nos joelhos de suas mulheres, com martelos e instrumentos de tortura". Nossa Beata pôde salvar um menino pequeno, que era perseguido para ser estrangulado; envolveu-o com seu hábito, e salvou-o da crueldade e barbárie de seus agressores. No momento destes massacres, as religiosas mariamitas que se encontravam naquela região, foram, por fim, escondidas num estábulo. Mais tarde, a irmã Rafqa sempre ficava com lágrimas nos olhos todas as vezes que tocava no assunto, tanto foi afetada pelos massacres. Depois de passar dois anos em Deir-E1-Qamar, foi enviada à cidade de Jbeil (Biblos) para ensinar as meninas, com as outras mariamitas. Ficou ali apenas por um ano. A seguir, suas superioras enviaram-na à aldeia de Maad para dirigir a escola das meninas. Passou ali sete anos; ficou hospedada na casa de um notável da aldeia, Antun Issa, homem extremamente rico, cristão praticante e grande benemérito; era casado, mas não tinha descendentes. Vivia com sua esposa no temor de Deus. Nossa Beata vivia na casa deles como se estivesse entre suas co-irmãs.

Em 1871, a Congregação das Mariamitas (do Sagrado Coração de Maria) de Bikfaya e a das Filhas do Sagrado Coração de Jesus de Zahlê foram dissolvidas, porque recusavam a fusão em uma só Congregação, como desejavam os padres jesuítas, de quem dependiam. Muitas religiosas voltaram, então, para o mundo; algumas foram recebidas em outras instituições; outras voltaram para suas casas, na esperança de se reencontrarem um dia. Efetivamente, e depois de novas negociações, os dignitários da Companhia de Jesus decidiram não considerar a resolução tomada em relação a elas, como definitiva. A casa de noviciado foi reaberta em 13 de novembro de 1884,e as Congregações foram definitivamente fundidas em uma mesma instituição sob o nome de "Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria".
 

Monja Enclausurada

Uma vez dissolvida sua Congregação, nossa Beata encontrou-se só, sem quem a apoiasse; estava na mais completa desorientação. Para enfrentar uma situação assim confusa, dirigiu-se à igreja da aldeia de Maad, onde vivia, e pediu a ajuda do Senhor para saber onde se encontrava Sua Santa Vontade. Por inspiração divina, dirigiu-se ao mosteiro de São Simão, na aldeia de Aitu, para se tornar monja enclausurada, depois de ser freira professora. Tinha então trinta e nove anos. Foi recebida para o noviciado no dia 12 de julho de 1871; depois, fez os votos solenes em 25 de agosto de 1873. Achava que devia ser esposa de Cristo por toda a eternidade. Sua vida nunca deixou de ser exemplar.

Participação da paixão de Cristo
A Irmã Rafqa se comportava bem. Nunca se queixou de nenhuma doença ou mal-estar. Tornando-se contemplativa, desejava ardentemente participar dos sofrimentos de Cristo. Seu desejo foi realizado no primeiro domingo de outubro de 1885, festa do Santo Rosário. Nesse dia, dirigiu-se a Deus pela seguinte oração: "Por que, meu Deus, afastai-Vos de mim, e por que me abandonais? Não me visitais pela doença! Teríeis me abandonado?" Naquela noite mesmo, no momento de dormir, experimentou uma dor violenta na cabeça; depois, esta dor se propagou por sobre seus olhos. Assim começou a Paixão da irmã Rafqa. A superiora enviou-a a Tripoli, a Serel e Batrun; mas nenhum médico pôde reduzir seus sofrimentos e dores intensas. A seguir, enviou-a a Beirute; no caminho, teve de parar em Jbeil, para pernoitar na casa de São João-Marcos, pertencente à Ordem Libanesa Maronita. O superior, padre Estevão, chamou um médico de origem norte-americana, que se encontrava na cidade. Depois de examiná-la, julgou necessário uma operação no olho direito, e insistiu, dizendo que o olho ficaria curado se a operação fosse feita, e garantiu que o olho não seria afetado. Fez com que a irmã Rafqa se sentasse numa cadeira, e sem anestesiá-la, enfiou em seu olho um bisturi longo e afilado, e puxou-o em direção a seu peito. O olho foi inteiramente arrancado, e caiu no chão, na frente dela, palpitando um pouco. A irmã Rafqa )he disse, calmamente: "Em comunhão com a Paixão de Cristo! Deus guarde suas mãos, doutor! Deus lhe pague!" De imediato, o sangue correu abundantemente. Quanto à dor que sentiu naquele momento, só Deus sabe o quanto foi atroz. Malgrado isto, não gritou, nem se perturbou, e só disse palavras suaves. Na manhã seguinte, continuou seu caminho para Beirute, para curar seu olho arrancado. Ficou na casa das Filhas da Caridade; os médicos pararam o sangue que escorria da cavidade, e acalmaram a dor, que se concentrou sobre o outro olho. Antes de deixar a casa de Jbeil, perguntou ao superior, padre Estevão, se tinha pago o médico; e este respondeu: "Quereis que eu lhe dê a paga, por ter-vos arrancado o olho! Ele se foi, e não apareceu mais, depois de tudo o que eu lhe disse!" No fim, a irmã Rafqa voltou ao mosteiro de São Simão, suportando atrozes sofrimentos, sem nunca se queixar. Pouco tempo depois, ficou totalmente cega. No ano de 1897, a Irmã Rafqa foi transferida com cinco outras monjas, ao convento de São José de Jrapta, recém-fundado. Ali, experimentou uma dor muito forte nas pernas, como se pontas de lança fossem enterradas nelas, e sentia uma dor nos artelhos, como se fossem arrancados. Depois, o mal invadiu todo seu corpo; por estes sofrimentos, começou a emagrecer e enfraquecer gradualmente; mas sua fisionomia continuava viva e bem disposta. No fim, viveu totalmente imobilizada, e todos os seus membros estavam deslocados, desarticulados, exceto as mãos. Suportava com paciência suas dores agudas, agradecendo a Deus por seus males, abandonando-se sem reservas à Sua Santa Vontade! O sorriso nunca desapareceu de seus lábios, e a paz e a serenidade sempre permaneceram em seu coração. Por isso todas as suas co-irmãs acorriam para ajudá-la, numa ardente competição, até o dia em que entregou sua alma a Deus, no dia 23 de março de 1914.
 

Morte
Toda vida tem um trem. Os cristãos crêem na ressurreição do mesmo modo que na eternidade. Todavia, o passo que se têm de atravessar da vida terrena para a vida eterna não é muito fácil. Este "salto no vazio", para muitos, é realmente aterrorizante, pois, todos os seres humanos morrem uma vez na vida; cada um de nós não faz a experiência da morte que só uma vez! Por isso, ninguém poderia explicar o fato "morrer", nem descrever "este passo" único na vida ou este "salto no vazio". Mas o crente sabe muito bem que este passo não é "um salto no vazio", mas a passagem duma vida provisória a uma vida eterna, e esta passagem, em vez de ser horrorosa, se realiza na calma e na serenidade quando o ser humano cumpriu seus deveres para com Deus e para com o próximo, como para consigo mesmo, e quando aqui evitava o mal e procurava a fazer o bem, e quando trazia sua cruz, os sofrimentos, com Cristo e por Cristo! Então a sua morte se torna mais calma e muito doce. Assim foi a morte da Irmã Rafqa. Ela morreu como morrem os justos. Quando a superiora lhe perguntou: "Tem medo da morte?" Ela respondeu com sorriso; "Não, não tenho medo da morte que estou esperando desde muito tempo, pois, falecida, Deus vai dar-me a verdadeira vida". Depois de receber o viático, a superiora lhe perguntou: "Que deseja ainda minha querida?" ela respondeu: "Que as irmãs leiam para mim o livro "As Glorias de Maria" e o livro da "Preparação à Morte"; e ela seguia atentamente cada frase.

Ao pôr de sol, antes de morrer, ela pediu desculpa às irmãs que começaram a chorar; depois ela pediu ao Padre capelão a última absolvição, e começou a repetir: "Jesus, Maria, José, lhes dou meu coração e meu espírito, tornem posse da minha alma". Quatro minutos depois, sua alma se elevou para perto do Senhor, para ser remunerada por seus sofrimentos destes muitos anos. Naquele dia, aqueles que a observaram, diziam: "parecia descansando num sono tranqiiilo e calmo, e que uma luz brilhava em seu rosto, e um sorriso estava gravado sobre seus lábios".

Ela faleceu no dia 23 de março de 1914 no mosteiro de São José de Jrapta. Seu corpo foi exposto durante dois dias na capela do mosteiro sem que um cheiro pútrido se sentisse do seu cadáver; a gente dizia: "Olha, ela esta mais dormindo que falecida". O caixão era simples, e mais simples foi seu enterro no mesmo mosteiro. Ao ver seu túmulo extremamente simples, se podia lembrar desta verdade: "À pequena gente, grandes monumentos; às grandes personalidades, uma simples pedra". Sem dúvida, a Irmã Rafqa foi uma grande personalidade na Igreja de Cristo, pois ela marcou seu século e seu país
 

Virtudes
Piedosa e simples foi Butrossiéh na casa paterna. No convento das mariamitas e depois nos mosteiros da Ordem Libanesa Maronita, Irmã Rafqa adquiriu todas as virtudes cristãs, humanas e monásticas, e as observou com heroísmo.

A sua vida era dividida entre as preces e o trabalho: "Ora et Labora". Mesmo trabalhando, viajando, sofrendo, ela jamais cessou de rezar. Recitava cada dia o Terço pois ela tinha uma grande e profunda devoção a Nossa Senhora que escolheu, desde à infância e depois da morte de sua mãe, como a única mãe neste mundo. Ela tinha grande devoção ao Sagrado Coração de Jesus, e uma devoção particular a São José ao qual fazia muitas novenas em prol daqueles que lhe pediram de rezar por eles. Quanto à sua devoção à Paixão de Nosso Senhor, ela foi tão grande que não é fácil de descrever. Antes de tornar-se paralítica, fazia cada Sexta-feira a Via Sacra. Quando era irmã mariamita, era doce, delicada, carinhosa e muito dedicada para com seus alunos. Como religiosa, era obediente, e repetia sempre: "Deus está me falando por meio das minhas superioras". Sua castidade era perfeita, e sua modéstia e pudor atraíram todos. Tinha uma bela voz, e foi uma belíssirna moça. Religiosa e monja, conservou sua beleza e sua frescura, e sua beleza corporal foi a expressão da sua beleza interior, como diz a Bíblia: "A beleza da filha do rei é interior". Era humilde, jamais se queixou nem reclamou alguma coisa ou favor. Sua paciência ultrapassou todos os limites. Ela dizia sempre: "Peço a Deus a graça de ser paciente para poder participar da Paixão de Jesus". Paralítica e cega durante dezessete anos, nunca cessou de ser agradável, e sua companhia era atraente, pois sua submissão total à Divina Providência foi quase legendária. Repetia sempre: "Que a Vontade de Deus seja feita". Ela mesmo dizia: "Se Deus desloca meus ossos e os esmaga, que Sua Vontade seja feita". Em suma, Irmã Rafqa foi uma religiosa piedosa e uma monja bem virtuosa.
 

Graças e Milagres
O homem de Deus não é capaz de fazer a não ser aquilo que Deus quer, pois está intimamente unido a Ele de tal modo que seu pensamento se inspira de Deus e seus atas tendem a ser conformes ao modo de agir de Deus. Caso aconteça ao homem de Deus fazer um milagre ou qualquer ato prodigioso, não é ele que o faz; é o próprio Deus que os opera. Deus opera milagres ou outros prodígios pela intercessão de seus fiéis discípulos e servidores. É um modo pelo qual Deus nos mostra a heroicidade das virtudes desses seus fiéis servidores e se compraz em ver os outros mortais imitarem seus exemplos. O milagre acontece não apenas para o bem do indivíduo beneficiado, mas sobretudo para o bem comum da humanidade. Todo milagre ou fato prodigioso é um sinal divino que nos revela, uma vez mais, a existência de Deus e que o Servo de Deus foi fiel à sua vocação, qualquer que seja esta vocação, servindo de modelo a ser seguido pelos mortais.

A monja Rafqa de Himlaya foi durante sua vida uma fiel serva de Deus. Sempre se esforçou por estar entre os verdadeiros discípulos de Cristo. A prova disso são os milagres que Deus realizou por sua intercessão. Antes de mais nada, sua vida neste mundo foi um verdadeiro milagre. Como pôde ela durante esta vida agiientar tantos sofrimentos, atingindo a idade de oitenta e dois anos? Certa ocasião, numa quinta-feira, no dia de Corpus Christi, estando a comunidade em adoração ao Santíssimo, Irmã Raf num desejo intenso de participar com a comunidade desse ato de adoração, não se sabe como, deixou seu leito e se arrastou sozinha até a Capela deixando todos os presentes assustados e maravilhados, ela que já não podia mais se mover sozinha no leito! Durante o período de sua vida aconteceram outros fatos prodigiosos. Um dia, duas monjas despiam-na como de costume, somente as duas. Irmã Rafqa perguntou se todas tinham saído, inclusive a superiora, pois estando cega não tinha como saber quem estava ou não. As duas monjas encarregadas de cuidar dela responderam afirmativamente; mas na realidade ali estava a madre superiora que queria ver a ferida horrível que nossa Beata tinha nas costas. Irmã Rafqa não queria que sua superiora a visse despida, pois a respeitava muito e sentia vergonha dela. Então ela disse: "Não me engane, a madre superiora está ainda aí, eu sinto sua presença". Nesse instante a madre superiora disse-lhe: "Sim, minha irmã, eu estou aqui; permita-me ver seu corpo". Nossa Beata numa monacal obediência, não se opôs, pois dirigindo-se à superiora lhe disse: "Minha madre, deixa perecer este corpo corruptível, para que os vermos não façam dele alimento".

Um outro fato foi relatado pela irmã Úrsula, a superiora que nossa Beata gostava e estimava muito. Aliás, seu apego à sua superiora estava de acordo com a Regra. Com efeito, o primeiro artigo das Regras e Constituições da Ordem Libanesa Maronita diz expressamente isto: "O monge ou a monja, deve considerar seu superior como o representante de Cristo, e deve manifestar-lhe toda honra e todo amor". A superiora disse um certo dia à Irmã Rafqa que, sendo cega e paralítica, sofria muito: "Irmã, que mais deseja nesta terra, enxergar?" A Beata respondeu: "Sim, eu gostaria de recuperar a visão, pelo menos por uma hora, para poder vê-la". "Uma hora somente, e logo após voltar a ser cega", replicou a superiora sorrindo. "Sim", respondeu ela. Enquanto mantinham este diálogo, a superiora e as outras monjas presentes viram-na sorridente e radiante de alegria dizer: "Estou enxergando, Deus seja louvado!"; em seguida começou a lhes dizer o que havia atrás do armário e a apontar com o dedo as manchas vermelhas do véu protetor do leito, etc...Depois disso, adormeceu tranqiiila e profundamente durante mais ou menos duas horas. Todas as presentes ficaram maravilhadas deste fato extraordinário. Após sua morte foi constatado sobre seu túmulo o mesmo fenômeno que houve no túmulo de São Charbel na manhã do dia seguinte de sua inumação, dia 25 de dezembro de 1898: "uma luz esplendidamente brilhante saía do túmulo da nossa Beata e logo desapareceu. Várias pessoas moradoras nas vilas vizinhas ao mosteiro de São José de Jrapta presenciaram este fenômeno. "Eu vi esta luz, nos conta Dorgham Al-Khoury Khairallah, por duas vezes em duas noites diferentes; graças a esta luz eu via as folhas do carvalho que está em frente do túmulo".

Os milagres que o Senhor fez pela intercessão de nossa Beata aconteciam de um modo geral quando os doentes pegavam um pouco de terra da sepultura de Irmã Rafqa, misturavam com água e bebiam ou massageavam a parte doente do corpo. O primeiro milagre deste tipo aconteceu no próprio mosteiro de São José de Jrapta e a beneficiária foi a madre superiora .Irmã Úrsula Doumit sofria já há sete anos de um quisto que nasceu dentro do pescoço sob o queixo e já estava do tamanho de uma pequena noz. Os médicos prescreveram tintura de iodo, o que nada adiantou, pois este quisto tornou-se maior e incomodava muito irmã Úrsula, de tal modo que bebia água ou leite com muito dificuldade. Quatro dias após a inumação da nossa Beata,o quisto causou à superiora um acesso de lebre muito forte. Durante a noite, irmã Úrsula dormia profundamente quando percebeu que alguém batia na porta e uma voz lhe dizia: "Pega a terra do túmulo de Rafqa e passa na sua garganta". Pela manhã após se informar com suas monjas concluiu que nenhuma delas a incomodou durante a noite. Estava portanto certa de que esta voz vinha de muito longe. Levantou-se então e foi ao túmulo de Rafqa, pegou um punhado de terra, misturou com água c colocou sobre o quisto. Pouco tempo após, pode tomar um copo de leite sem nenhuma dificuldade. Apalpou em seguida sua garganta e não encontrou traço algum do quisto; estava completamente curada! Alguns dias após a morte de Irmã Rafqa veio ao Mosteiro uma pessoa de nome Chahine Al-Farrane, da cidade de Sghâr, na vizinhança de Jrapta. Era um bom cristão que tinha o justo necessário para viver. Estava inquieto e trêmulo. Disse à superiora: "Minha filha Madalena está com febre tifóide, já faz oito dias. Está com corpo muito quente e inconsciente. Dei lhe alguns medicamentos que me ensinaram, mas não deu resultado. Deixei-a muito mal, quase morrendo. Eu lhe peço, madre, algum dinheiro para poder pagar o médico". A superiora sensibilizada, para tranqiiilizá-la e evitar gastos, aconselhou-o a pegar um pouco de terra do túmulo da Irmã Rafqa, que Chahine conheceu em vida como uma santa. Pegou um pouco da terra do túmulo da nossa Beata e misturou com água, deu um pouco para a doente beber. Tão logo acabou de beber, começou a suar copiosamente ficando com o corpo encharcado de suor, não sentido mais febre. Estava completamente curada! No dia seguinte pode recomeçar seu trabalho como empregada doméstica. Mariam, a irmã da superiora do Mosteiro, natural de Maad e casada na cidade de Sghâr, havia sete anos que sofria de uma dor aguda no ombro esquerdo. Devido à dor, não conseguia nem pôr a mão no rosto ou sobre a cabeça a não ser com auxilio da mão direita. Trouxeram-lhe então um pouco de terra do túmulo de Irmã Rafqa. Misturou com água, bebeu uma parte e esfregou o ombro doente com a mistura restante. Sentindo-se curada pôde movimentar seu braço esquerdo sem sentir dor alguma. No dia seguinte pela manhã veio ao Mosteiro agradecer a Irmã Rafqa. Estava muito feliz de ter sido privilegiada por esta graça. Deixou no Mosteiro um recipiente com óleo. "Este óleo, disse ela, é para ser queimado diante do Santíssimo Sacramento, em ação de graças".

O padre Marcos Al-Maadi conheceu pessoalmente Irmã Rafqa quando em serviço no mosteiro de São José de Jrapta. Teve na bochecha direita um tumor do tamanho de um ovo de galinha que já tinha dezenove anos de existência. O mal se agravava e os médicos não conseguiram nenhum alívio. Um dia estando no mosteiro de São José, foi ao túmulo de Rafqa e disse, falando com ela: "Não se recorda mais dos meus trabalhos em seu convento? Veja como estou agora com esta doença incurável; venha em meu socorro!". Pegou em seguida um pouco de terra do seu túmulo e esfregou no tumor. Ao anoitecer, um certo líquido misturado com pus escorreu do tumor. Na manhã seguinte o tumor desapareceu sem deixar cicatriz. Estava curado! "Estou completamente convencido, disse ele, que foi a Irmã Rafqa que me curou".

Não é de todo inútil assinalar aqui que alguns médicos tentaram examinar em laboratório a terra que os fiéis pegavam no túmulo de nossa Beata. Tentaram descobrir ou explicar sua eficácia na cura de doenças. Agiram com má intenção! Não sabemos. O certo é que chegaram à conclusão que a terra do túmulo era idêntica a qualquer punhada de terra das montanhas libanesas. A única diferença, que uma estava mais próxima a dos restos da nossa Beata!

Conforme está relatado no registro do mosteiro de São José de Jrapta, muitas curas aconteceram pela intercessão da Irmã Rafqa. Para terminar, será relatado mais este famoso prodígio: a cura de Sabát (Isabel) Hanna Georges, natural de Turza ao norte do Líbano. Ela, em 1936 começou a sofrer de uma hemorragia com dores fortes no útero. Foi cuidada por vários médicos e esteve internada para tratamento do mal no Hospital Hotel-Dieu de Beirut. Os médicos entretanto chegaram a concluir que ela estava com câncer no útero, sem esperança de cura. Disseram aos seus familiares: "Levem-na para casa para que não morra no hospital". Estava mesmo nas últimas e temiam que morresse antes de chegar em casa, na cidade de Turza. Durante a viagem ela pediu a intercessão da Irmã Rafqa, prometendo visitar seu túmulo. Chegou ao mosteiro de São José, passou uma noite. Imediatamente diminuiu a hemorragia; e rapidamente estava totalmente curada, alimentando-se a vontade, encontrando assim repouso completo. Morreu trinta anos após sua cura milagrosa.
 

Beatificação e Canonização
A Causa de Beatificação da Irmã Rafqa foi apresentada a Roma em 1926. No dia l2 de junho de 1968, o Santo Padre Paulo VI promulgou o Decreto da Introdução da Causa, e assim foi "Serva de Deus". Este Decreto demorou um pouco para terminar antes a Beatificação de São Charbel que se realizou no dia 5 de dezembro de 1965. No dia1 de fevereiro, aniversário da Aparição de Nossa Senhora de Lourdes, o Santo Padre João Paulo II reconheceu o heroísmo de suas virtudes; tornou-se então "Venerável". Depois de apresentar o dossiê relativo aos milagres que o Senhor concedeu por sua intercessão, o Sumo Pontífice, no dia 9 de julho de 1985, reconheceu a veracidade e a autenticidade do milagre examinado e apresentado. Foi a cura milagrosa da Sabát Hanna Georges de Turza dum câncer. Sua Beatificação se realizou no dia 17 de novembro de 1985, durante a santa missa que o Papa João Paulo ll celebrou na Basílica de São Pedro no Vaticano e declarou a Irmã Rafqa El-Choboq El-Rayés Beata na Igreja de Cristo. Este evento foi uma grande honra para o Líbano e para a Igreja Maronita, esta Igreja que foi a única Igreja Oriental que ficou sempre Católica Apostólica Romana. Participei deste evento inesquecível como Postulador da Causa. Santa Rafka foi canonizada em 19 de agosto de 2001 pelo Papa Joao Paulo II. Comemoramos sua festa no dia 23 de março, dia de seu falecimento.
 

Mensagem
Nossa Beata morreu na idade de oitenta e dois anos, faz já oitenta e quatro anos. Está morta, mas seu exemplo continua vivo, de maneira particular durante os tempos duros que viveram os Libaneses por causa da guerra de 1975 até 1990.

A mensagem da monja Rafqa a cada libanês, como a cada cristão, em meio a seu sofrimento, é a mensagem de paciência e submissão total à Divina Providência. O batizado, quer consagrado, quer leigo, que esta procurando Jesus Cristo sem a Cruz, vai achar a cruz sem Jesus Cristo. Nossa Beata nos ensina que, com Cristo e por Cristo, a cruz, "os vários sofrimentos na vida", se torna fonte de alegria e de felicidade. Que honra para o Líbano! CHARBEL, RAFQA e NIMATULLAH AL-HARDINI: são "três belas figuras da santidade" da Igreja de Cristo. Proclamaram ao mundo inteiro que a Maronidade é uma terra fértil em santidade, e que o Líbano era, e não deixa de ser, uma TERRA SANTA.
 


Oração para Santa Rafqa para Obter Graça

Ó Senhor Jesus que suscitastes no coração generoso da Beata Rafqa o desejo de Vos servir e servir os outros numa vida religiosa exemplar. Ela foi órfã, cega, paralítica, e nunca se queixou; ao contrário transformou os sofrimentos em alegria e as provas em felicidade, numa submissão total à Vossa Divina Vontade. Concedei-nos por sua intercessão esta graça... que necessitamos segundo a Vontade de Vosso Pai e a graça do Espírito Santo! Amém.


Reprodução de conteúdo autorizada desde que citada fonte
Eparquia Maronita do Brasil